13 de julho de 2017

Um homem dedicado à família e policial comprometido, diz sobrinho sobre PM morto

“Um homem dedicado à família e um policial sempre comprometido, dedicado ao serviço.” Assim o cabo Emerson Amaral, de 30 anos, descreveu seu tio, o também cabo Marcos Marques da Silva, de 36, assassinado na manhã desta segunda-feira por assaltantes de banco, durante ataque a duas agências na cidade de Santa Margarida, na Zona da Mata de Minas. Emerson se formou soldado na mesma época que Marcos, no fim de 2008, mas em cursos em cidades diferentes. Também não serviram nas mesmas unidades, mas tinham uma forte ligação de irmãos na fé. 

As famílias do militar morto e de sua mulher, a estudante de direito Dulce, são evangélicas, moradoras de Manhuaçu, também na Zona da Mata. “Ele era muito ligado aos seus pais, a quem ajudava financeiramente. Casou-se com minha tia e a família cresceu. Não tinham filhos, mas eram amados dos sobrinhos. No domingo, estavam todos juntos como de costume, em reunião da família”, contou Emerson.

Para o sobrinho do militar, Marcos morreu pela sua dedicação às regras da corporação. “Ele recuou, mas retornou na tentativa de proteger os reféns. E tenho para mim que não atirou para preservar aquelas pessoas; foi assassinado, sem chances de defesa. Nós, policiais, somos treinados para preservar vidas de inocentes e penso que foi isso o que ele fez, cumprindo seu dever, com coragem”, afirmou Amaral.

Emerson diz que a morte do tio não o desencoraja a seguir como policial. Na família dele são pelo menos sete militares, dos quais cinco em atividade. “O que fica disso tudo é a esperança de justiça. Saber da nossa missão como policiais, sabendo que depois da morte dele, os colegas de farda deram uma rápida resposta à sociedade, o que só faz admirar ainda mais essa instituição, que é a Polícia Militar. Três dos envolvidos estão presos e um quarto, foragido. Agora é esperar que se faça a justiça”, assinalou.

Em Santa Margarida, o clima de dor não é diferente, diante da morte do vigilante Leonardo José Mendes, de 55, que há pelo menos 15 anos trabalhava na agência do Bando do Brasil. “Era uma pessoa conhecida da maioria dos moradores da cidade. Estamos todos chocados. Era dedicado à mulher, Luzia, e ao filho, de 22, que faz faculdade em Itaperuna (RJ). Estamos sem o que dizer, diante de tanta violência em uma cidade pequena”, disse a professora Margarida Oliveira, prima da mulher do vigilante. 

O corpo de Leonardo está sendo velado na Capela São João, e será enterrado nesta terça-feira, no cemitério municipal de Santa Margarida. Já o velório do cabo Marcos Marques ocorre na igreja Assembleia de Deus de Manhuaçu. O enterro, com honras militares, será no cemitério Campo das Flores, no mesmo município.
(RG) 

  • Com informações do Jornal Estado de Minas

Nenhum comentário:

Postar um comentário