17 de março de 2017

Maestro, Ricardinho vence ansiedade e quer ser regido por torcedor do Vovô

Ricardinho é um maestro que entende pouco de música e bastante de futebol. Dá veia criativa e liderança ao Ceará. Ou, pelo menos, teve essa característica na passagem entre 2013 e 2015. Agora, depois de uma cirurgia no joelho, tenta voltar orquestrando de novo um time que ainda se estabiliza antes da Série B do Campeonato Brasileiro. Ricardinho está pronto para estrear nas quartas de final do estadual, neste domingo, diante do Uniclinic, às 16 horas, no Castelão. 
Ricardinho, meia, Ceará (Foto: Thaís Jorge)Ricardinho, meia do Ceará (Foto: Thaís Jorge)
- Cabeça e vontade de estar no jogo. Estou treinando gradativamente por uma evolução. Na quarta, fiz um coletivo o tempo todo. Me senti bem. Estou à disposição. Vou voltar com a mesma motivação e a mesma vontade de sempre. - Desde a artroscopia (cirurgia para lesão), em agosto, em Belo Horizonte, com o médico do Atlético-MG e da Seleção Brasileira, são quase sete meses. É muito difícil focar parado. Esse longo tempo tentar controlar a ansiedade. Fica a dúvida para saber se dá para voltar no nível bom e fazendo o que antes conseguia fazer. Mas é que eu amo, é o que eu gosto de fazer, o meu trabalho. O mais difícil é mesmo controlar a ansiedade - detalhou, em entrevista exclusiva ao GloboEsporte.com. 
Ricardinho foi uma peça fundamental na campanha do Ceará de 2015, quando o time venceu o Nordestão de maneira invicta e também escapou do rebaixamento à Série C do Brasileiro. À época, tinha Lisca no comando. Agora, tem Givanildo Oliveira. E o meia comentou sobre o novo treinador. 
- Não tem um treinador igual. Cada um tem suas qualidades e características. Uns mais expressivos, outros mais quietos, mais calados, falam o necessário. O professor Givanildo briga pelos diretos dos atletas, procura orientar da maneira dele, é um vencedor como atleta e técnico. Cabe para a gente ser inteligente e conseguir tirar o máximo que ele tem para nos ensinar e oferecer. Temos que evoluir com ele para a temporada. 

Com um time ainda em formação e precisando de mais criatividade no meio e mais efetividade no ataque, Ricardinho admite que chega com responsabilidade ao Alvinegro em 2017 e não quer decepcionar as arquibancadas. Ele sabe do peso, mas confessa estar contente nesta nova passagem pelo Ceará, que, segundo ele, o acolheu. 

- Responsabilidade sempre tem. Não vou conseguir resolver todos os problemas do time. É um coletivo. Mas quero colocar minha qualidade, ter essa responsabilidade. Me sinto em casa aqui e tenho o apoio dos torcedores. E com essa ajuda quero dar o meu melhor.

Ricardinho Ceará Bahia Copa do Nordeste (Foto: LUCIO TAVORA/AGÊNCIA A TARDE/ESTADÃO CONTEÚDO)Ricardinho está pronto para voltar a campo (Foto: Lúcio Távora/Agência A Tarde/Estdão Conteúdo)
Fã de música gospel e sertanejo, aquilo que escuta diariamente, Ricardinho nem titubeia ao definir aquela canção que o emociona no estádio. É da voz das arquibancadas alvinegras que vem o incentivo. É o som que ele sente saudade de ouvir desde agosto e o que pede a partir da estreia, quando quer fazer um gol de falta. 


- Seria muito gratificante ouvir a música que a torcida cantou para mim, em 2015. Não tem como o jogador não entrar mais motivado e confiante e não dá para falar da alegria que é escutar "Quer jogar, quer jogar, o Ricardinho vai te ensinar". Primeiro, tu começa a pensar em voltar a treinar. Depois, você começa a pensar no jogo, no Castelão lotado. Quero fazer um gol de falta, seria gratificante na minha reestreia. Ajudar o Ceará. 

E, no estilo de um maestro modesto, encerra. 

- Colocaram esse apelido pelas minhas características em campo por organizar, de procurar sempre colocar o companheiro na cara do gol. E também por liderança. Procuro fazer o meu melhor dentro de campo. Quando o coletivo tiver bem, o individual vai aparecer. E o objetivo é o Ceará conquistar as vitórias e o resultado.

 Por 
Fortaleza, CE

Nenhum comentário:

Postar um comentário