9 de dezembro de 2016

Prognóstico da Funceme para 2017 somente em janeiro


Análises das temperaturas do Atlântico terão mais relevância diante da tendência de neutralidade no Pacífico

Próximo ao dia 15 de janeiro, em data ainda a ser definida, a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) vai concluir e divulgar o primeiro prognóstico climático oficial para a quadra chuvosa de2017 no Ceará. O documento apresentará as probabilidades de cada uma das três categorias (abaixo, em torno e acima da média histórica) referentes ao acumulado de precipitações nos meses de fevereiro, março e abril. 

A seca prolongada desde 2012 acentua a ansiedade e a expectativa da sociedade a em relação ao prognóstico, pois as reservas hídricas estão em níveis críticos e vários setores da economia cearense já sofrem consequências da escassez de água. Porém, os meteorologistas da Funceme ressaltam que uma forte tendência de neutralidade nas temperaturas do Oceano Pacífico Equatorial (nem El Niño, nem La Niña) durante a quadra chuvosa de 2017 não permite antecipar a previsão climática para o Ceará. 

A indefinição no Pacífico aumenta a relevância da análise das diferenças de temperaturas entre o norte e o sul do Oceano Atlântico Tropical. Se a parte sul estiver mais aquecida, a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) tende a se posicionar também ao sul da Linha do Equador, atuando de forma mais favorável às chuvas no Ceará.  

E essa análise, explicam os meteorologistas, deve ser feita bem próximo ao início do período chuvoso, dando mais confiabilidade à previsão, já que as condições de temperatura no Atlântico mudam mais rápido que no Pacífico. Considerando a possibilidade de mudanças no Atlântico, a Funceme deverá divulgar um segundo prognóstico em fevereiro, este referente ao acumulado de precipitações nos meses de março, abril e maio.

La Niña 

O Oceano Pacífico Equatorial apresenta hoje anomalia de resfriamento, o que configura o fenômeno La Niña. Entretanto, a intensidade dessa anomalia, entre 0,5°C e 1°C, é considerada fraca. Além disso, as agências internacionais que monitoram as temperaturas do Pacífico preveem que o fenômeno deve desaparecer em fevereiro. “Se tivéssemos uma previsão de persistência dessa La Niña até maio, teríamos um indicativo bom para as chuvas no Ceará, mas as previsões mostram a neutralidade como tendência mais forte. Isso não é bom como uma La Niña, mas também não é ruim como um El Niño. É um cenário neutro”, explica o meteorologista Raul Fritz.

Pré-estação

A pré-estação chuvosa no Ceará, período compreendido entre os meses de dezembro e janeiro, é quando acontecem os primeiros registros de precipitações mais intensas no Estado. As chuvas de pré-estação são causadas normalmente pela atuação e posicionamento favorável dos Vórtices Ciclônicos de Altos Níveis (VCAN). Esses sistemas meteorológicos são difíceis de prever em longo prazo (previsão climática com meses de antecedência) e por isso a Funceme orienta aos usuários que acompanhem diariamente a Previsão do Tempo (curto prazo) no site www.funceme.br onde é possível antecipar a atuação dos Vórtices Ciclônicos em até 72 horas.


Fonte: Assessoria de Comunicação da Funceme
8 de dezembro de 2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário